Páginas

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

O grande engano da Teologia da Prosperidade



Atenção fiéis da IURD e fiéis das demais igrejas evangélicas protestantes: o que segue abaixo é um alerta, pensando no próprio bem de vocês. Aos Católicos: leiam com muita atenção para não caírem nessa armadilha.
Fonte: www.cleofas.com.br
 

Jesus nunca ensinou que o Evangelho pudesse ser uma fonte de enriquecimento ou um meio de se levar uma vida “regalada”, “em nome de Deus”; ao contrário, o Senhor ofereceu a renúncia e a cruz àqueles que o seguirem: “Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz a cada dia e me siga. Porque, quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la, mas quem sacrificar a sua vida por amor de mim salvá-la-á” (Lc 9,23-24).
 

Jesus fala de sacrifico, renúncia, perder a própria vida; e diz que se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, não pode dar fruto (cf. Jo 12, 24). Isto está longe de ser um ensinamento de enriquecimento porque se faz a vontade de Deus. Ele não é contra a riqueza justa, e sabiamente usada para o bem de si mesmo e dos outros, mas isto está longe de justificar a teologia da prosperidade.
 

No entanto o adeptos dessa teologia, baseiam-se no Antigo Testamento para dizer que os homens de Deus foram ricos como Salomão, e que Jesus prometeu que veio para que tenhamos “vida em abundância”. (Jo 10,10)
 

Segundo a Teologia da Prosperidade, Deus concede riqueza e bens materiais a quem Lhe é fiel e paga o dizimo com generosidade; mas esta concepção está mal fundamentada. Todos os católicos devem dar a sua contribuição material à Igreja para que ela possa prover suas necessidades materiais; isto é ensinado pelo Catecismo: §2043 – “Os fiéis cristãos têm ainda a obrigação de atender, cada um segundo as suas capacidades, às necessidades materiais da Igreja. O quinto mandamento [da Igreja] (“Ajudar a Igreja em suas necessidades”) recorda aos fiéis que devem ir ao encontro da necessidades materiais da Igreja, cada um conforme as próprias possibilidades (CDC, cân. 222)”. 

Nem o Catecismo e nem outro documento da Igreja obriga que o dízimo seja 10% do salário, embora muitos adotem isto na prática, o que é bonito. Mas o dizimo não pode ser uma troca com Deus; deve ser uma doação generosa de quem ama a Deus gratuitamente e desinteressadamente.
 

Na mentalidade do AT, quando não se tinha uma noção clara da vida eterna, os antigos judeus julgavam que a recompensa de Deus para os bons seria neste mundo mesmo; mas esta mentalidade foi mudando, como se pode ver no livro de Jó, Eclesiastes, Daniel, etc. A certeza da vida eterna e de uma recompensa muito melhor foi finalmente trazida por Jesus: “Dirá o rei aos que estiveram a sua direita: Vinde, benditos do meu Pai, recebei por herança o reino preparado para vós desde a fundação do mundo”.(Mt 25, 26).
 

E São Paulo completa: “O que os olhos não viram, os ouvidos não ouviram, e o coração do homem jamais percebeu, eis o que Deus preparou para aqueles que O amam” (1Cor 2,9).
 

Jesus não propôs riqueza nem prosperidade aos seus seguidores. Prometeu sim, vida, e vida em abundancia, mas não é a vida mortal, sempre ameaçada, que o homem conhece na terra, mas a vida imortal em comunhão com o Pai, o Filho e o Espírito Santo. A “Carta aos Hebreus” ensina que Deus nos corrige para o nosso bem: “É para a vossa educação que sofreis: Deus vos trata como filhos. Qual é, com efeito, o filho cujo pai não educa? Se sois privados da educação da qual todos participam, então sois bastardos e não filhos”. (Hb 12, 7s) Dessas palavras pode-se ver que é falso dizer que Deus paga em dinheiro e bens materiais a quem Lhe é fiel.
 

São Paulo mostra os riscos do enriquecimento para quem não sabe se contentar com o que tem; isto, o "avarento:“A piedade é de fato grande fonte de lucro, mas para quem sabe se contentar. Pois nada trouxemos para o mundo, nem coisa alguma dele poderemos levar. Se, pois, temos alimento e vestuário, contentemo-nos com isso. Ora, os que querem se enriquecer caem em tentação e cilada, e em muitos desejos insensatos e perniciosos, que mergulham os homens na ruína e na perdição. Porque a raiz de todos os males é o amor ao dinheiro, por cujo desenfreado desejo alguns se afastaram da fé, e a si mesmos se afligem com múltiplos tormentos”. (1Tm 6,5-10)
 

E Jesus deu-nos uma lição importante quando do encontro com aquele jovem rico, que perdeu a coragem de seguir Jesus por causa do dinheiro: “Jesus lhe respondeu: Se quiseres ser perfeito, vai vende os teus bens e dá aos pobres, e terás um tesouro nos céus. Depois, vem e segue-me. O moço, ouvindo essa palavra, saiu pesaroso pois era possuidor de muitos bens. Então Jesus disse aos seus discípulos: Em verdade vos digo que um rico dificilmente entrará no Reino dos Céus. E vos digo ainda: é mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus. Ao ouvirem isso, os discípulos ficaram muito espantados e disseram: Quem poderá então salvar-se? Jesus fitando-os, disse: Ao homem isso é impossível, mas a Deus tudo é possível”. (Mt 19,21-26).
 

O Brasil tomou conhecimento do triste caso do casal de “bispos” da igreja Renascer. Um juiz brasileiro, da 1ª Vara Criminal de São Paulo, Paulo Antonio Rossi, decretou a prisão deles, em 11 jan 07 (Folha de SP), depois de terem sido presos nos EUA pelo FBI. O casal foi detido no aeroporto de Miami, na Flórida, em, 09 jan 07, pelo FBI, ao tentar entrar no país com US$ 56 mil não-declarados (mais de R$ 120 mil) em dinheiro vivo, que estava dentro de uma Bíblia, em um porta-CD e nas malas. No despacho, os promotores acusam Estevam e Sônia de continuar a praticar lavagem de dinheiro, dessa vez em solo norte-americano -eles já respondem a esse mesmo tipo de crime na capital paulista.

Esses fatos confirmam os argumentos evangélicos apresentados de que a teologia da prosperidade é uma farsa perigosa que tem enganado a muitos. Pessoas bem intencionadas, às vezes desesperadas com os seus problemas, dão o que têm, e às vezes o que não têm a essas “igrejas”, e depois ficam muitas vezes em pior situação ainda. Não é esta a vontade Deus; Jesus alertou: “cuidado com os falsos profetas... pelos seus frutos os conhecereis”. (Mt 7,15-16)

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Duas questões: Onipotência e propósito na evolução

A Igreja Católica não propõe uma teoria científica para a criação, não é o papel dela. No entanto a Igreja ensina, com base nas Sagradas Escrituras, que há propósito de Deus na Criação e ele pode ser percebido pelo homem. Também ensina a Igreja que a ciência verdadeira não se opõe à fé. A conclusão natural para qualquer católico, portanto, é que se uma teoria científica para a criação é verdadeira ela não terá conflito algum com a fé católica. É neste contexto que precisamos entender a oposição de muitas pessoas à teoria da evolução de Darwin. Elas acreditam que a teoria de Darwin elimina o propósito de Deus na criação.

Mas por que pensam assim e, será que isso é mesmo verdade?
Geralmente o primeiro argumento contra qualquer evolução, não só a biológica mas também a do universo, é o livro do Gênesis. Sabemos, entretanto, que do ponto de vista católico não há motivos para acreditar na interpretação literal do relato da Criação. Deve ser compreendido como uma metáfora. De fato, entre os que se opõe à teoria de Darwin, poucos se baseiam numa interpretação literal da Bíblia. Até mesmo porque cientificamente a evolução biológica é um fato mais do que comprovado. A evolução do universo também já foi provada depois que Edwin Hubble verificou observacionalmente a teoria do Big Bang proposta pelo padre jesuíta Georges Lemaître. A física, hoje, não duvida desta descoberta. A expressão de conservação das massas do católico Lavoisier, “na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”, deve ser entendida num sentido mais amplo, cientificamente, de que o paradigma da evolução faz parte da ciência moderna.
A evolução é um fato, a teoria é a explicação do fato. Embora as teorias possam estar erradas e mudar, os fatos experimentais não mudam! Do ponto de vista filosófico e teológico o argumento realmente sério é se a teoria de Darwin se opõe ou não ao Propósito de Deus na criação. Esta é a pergunta que realmente importa. A teoria de Darwin, muito aprimorada depois da descoberta da genética pelo monge agostiniano Gregor Mendel, está baseada no conceito de mutações genéticas aleatórias que acontecem na reprodução. Ao longo de milhares de anos estas mudanças fariam que uma população se aprimorasse, evoluísse, através de vários mecanismos, dentre eles a sobrevivência do mais apto.
É justamente a idéia de aleatoriedade das mutações que gera a grande controvérsia pois significa literalmente que as mudanças acontecem ao acaso, sem propósito. Isso implica (será?) que todas as espécies surgiram ao acaso, inclusive nós. Basicamente existem três posturas frente a essa conclusão: nega-se a evolução, aceita-se a evolução mas não a “aleatoriedade” das mutações ou então aceita-se a evolução e a aleatoriedade mas nega-se a consequência de acaso devido às mutações aleatórias. Como foi visto antes, a primeira postura vai contra tudo que a ciência moderna sabe e contra o que convém chamar de “paradigma evolutivo da ciência”. Para dizer pouco, pode-se falar que não é uma posição defensável com a razão, hoje. E como há séculos a Igreja defende que a fé e a razão se complementam, ir contra o fato (não a teoria) da evolução não é uma boa posição para os católicos. O frade franciscano Roger Bacon, um dos pais do método científico, que o diga!
A segunda posição é conhecida como Design Inteligente”, diz que não há aleatoriedade nas mudanças que acontecem entre uma população e outra, mas que Deus controla tudo. Seus principais defensores tentam lançar mão de uma proposta científica, a complexidade irredutível, para justificar esta posição. Entretanto, argumenta-se muito nos meios científicos que esta teoria não é falsificável e que portanto não é científica. Particularmente, concordo com esta crítica. Não pode-se esquecer que também do lado teológico o Design Inteligente não é bem visto sempre. Muitos alegam, com propriedade, que ele apela a um “Deus das lacunas”, que vive remediando sua criação. Os católicos crêem que Deus cria e mantém a sua obra, porém “manter” não significa “consertar”, apesar do “ato criador” poder se estender no tempo. Mas a ação de Deus no Design Inteligente está mais para remendo do que para criação.
A terceira posição, que me parece mais correta, afirma que não há consequência lógica entre “aleatoriedade na mutação” e “aleatoriedade das espécies”. O propósito de Deus está em ter criado um mundo que tem leis naturais que invariavelmente conduzem ao universo como conhecemos hoje. Se as mutações genéticas são aleatórias, as leis físicas não são e conduzem a natureza para um fim específico, em última análise desejado por Deus, que é o criador destas leis. Uma analogia pode ajudar a compreender esta visão: Imagine um estádio de futebol lotado onde explode uma bomba que faz as pessoas quererem sair do estádio. Cada indivíduo é livre para correr na direção que quiser. De fato, uns correm para a saída e outros não. Ou porque estão perdidos ou porque acham que podem ser pisoteados no tumulto, não se sabe. No final a maioria das pessoas se salvaram. Foi o acaso ou foi porque as pessoas têm uma tendência natural de procurar a saída e o engenheiro pensou nos possíveis canais de fuga quando construiu o estádio?
Seguindo esta analogia é evidente que todos os caminhos que levam da “aleatoriedade da mutação” para o surgimento de uma nova espécie (e nós) podem ser compreendidos como o Propósito de Deus na criação. Há inúmeros agentes biológicos, físicos, geológicos e climáticos que controlam todo o processo. Deus que é onisciente certamente sabe que fim levará sua criação e não precisa interferir desnecessariamente criando olhos aqui, asas acolá. Precisamos refletir bem no significado da onipotência de Deus.
Alexandre Zabot
Físico, mestre e doutorando em Astrofísica


Comentário de "Conspiração Ideológica" resumido sobre Onipotência: "Sabemos que certos conceitos nos escapam da compreensão, como onipotência, onisciência e outros como um tempo sem tempo (já pensou como era o universo ANTES do Big Bang que criou tudo, inclusive o tempo? como era antes do tempo? Opa, se não havia tempo, como havia um "antes"? Racionalmente é possível compreender isso? Digo, SENTIR isso, exemplificar? Quantificar?) : "Sendo Deus onipotente, poderia ele criar uma pedra tão pesada que ele mesmo não pudesse erguer?"

Essa questão não leva em conta que ONIPOTÊNCIA é algo que não podemos compreender... Que com ONIPOTÊNCIA o próprio conceito de ONIPOTÊNCIA, PESO e PEDRA podem ser modificados. Resumindo: Ao propor esse problema, nós restringimos qualquer resposta com base naquilo que conhecemos, conceitos fechados que não levam em conta que a própria onipotência pode fazer, é como dizer ´me prove oq é onipotente, mas desde que essa onipotência não seja onipotente, restrita ao que sabemos e não podendo mudar nenhum conceito nosso, pois do contrário EU não compreenderia...´


Meu comentário: "A onipotência é um dos atributos incomunicáveis do ser divino. Diz-se incomunicável, pois refere-se a um atributo constituinte da natureza mesma de Deus, diferente dos chamados 'atributos comunicáveis', tais como amor, sabedoria, santidade, os quais podem ser comunicados e compartilhados pelas suas criaturas." Logo, não se pode chegar a uma resposta satisfatória sobre essa questão que está associada ao desejo de conhecer a verdade sobre Deus, afinal, Ele existe, ou eu estou falando sozinho quando faço uma oração? O desejo de se chegar a essa resposta é essencial para se ter um propósito na vida, mais que isso, um sentido. Nascer, viver e morrer sem saber "por que" como um animal irracional ou um vegetal, não está no nosso script. Um cego de nascença sabe que não nasceu para ser cego e conseqüentemente não desistirá de se interrogar sobre o porquê da sua cegueira e sobre como dela sair. Só aparentemente o homem se resignou ao veredito de ter nascido cego para o que lhe pertence, para a única realidade que em última instância conta na nossa vida. A titânica tentativa de tomar posse do mundo inteiro, de extrair da nossa vida e para a nossa vida todo o possível, mostra, assim como a explosão de um culto do êxtase, da transgressão e da destruição de si, que o homem não se contenta com tal juízo. Porquê, se não sabe de onde vem e por que existe, não é ele talvez, em todo o seu ser, uma criatura fracassada? O adeus aparentemente indiferente à verdade sobre Deus e sobre a essência do nosso eu, a aparente satisfação por não ter mais de se ocupar com tudo isso, são ilusórios. O homem não pode resignar-se a ser e permanecer, quanto ao que é essencial, um cego de nascença. O adeus à verdade nunca pode ser definitivo; como eu disse na postagem anterior, a verdade pode sim ser descoberta, ainda que seja somente após a morte.

sábado, 19 de setembro de 2009


Se as obras de Picasso, Leonardo da Vinci, Claude Monet e etc, são de encher os olhos, imagine então esta imagem, um capricho da natureza, uma obra de arte feita pelos dedos de Deus.

Fonte: www.nasa.gov


Esse objeto celeste se parece com uma borboleta delicada. Mas ela está longe de sê-lo.

O que lembram asas de borboleta são realmente caldeirões de gás aquecido a mais de 36.000 graus Fahrenheit. O gás está rasgando através do espaço em mais de 600.000 milhas por hora - rápido o suficiente para viajar da Terra à Lua em 24 minutos!

A estrela moribunda que já foi aproximadamente cinco vezes a massa do Sol está no centro desta fúria. Foi expulso o seu envelope de gases e agora é desencadeador de uma corrente de radiação ultravioleta que está fazendo o brilho do material se sobrepor. Este objeto é um exemplo de uma nebulosa planetária, chamado assim porque muitos deles têm uma aparência semelhante a volta de um planeta quando visto através de um pequeno telescópio.

O Wide Field Camera 3 (WFC3), uma nova câmera a bordo do Telescópio Espacial Hubble, fotografa essa imagem da nebulosa planetária, catalogado como NGC 6302, mais conhecido popularmente como o inseto nebuloso ou a Borboleta Nebulosa. WFC3 foi instalado pelos astronautas da NASA em maio de 2009 durante a missão de atualizar e reparar os 19 anos de idade do telescópio Hubble

NGC 6302 está dentro de nossa galáxia Via Láctea, a cerca de 3.800 anos-luz da constelação de Escorpião. O gás incandescente é camadas mais externas da estrela, expulso por cerca de 2.200 anos. A "borboleta" se estende por mais de dois anos-luz, que é aproximadamente metade da distância do Sol à estrela mais próxima, Alpha Centauri.

A estrela central em si não pode ser vista, porque ela está escondida dentro de uma espécie de rosquinha, anel em forma de pó, que aparece como uma faixa escura na nebulosa, no centro. O cinturão de poeira grossa constringi a saída da estrela, criando o clássico "bipolar" ou ampulheta forma exibida por algumas nebulosas planetárias.

A temperatura da superfície da estrela é estimada em cerca de 400.000 graus centígrados, tornando-se uma das mais quentes estrelas conhecidas em nossa galáxia. As observações espectroscópicas feitas com telescópios terrestres mostram que o gás é cerca de 36.000 graus Fahrenheit, o que é excepcionalmente quente em comparação com uma típica nebulosa planetária.

A imagem WFC3 revela uma história complexa de ejeções da estrela. A primeira estrela que evoluiu para uma enorme estrela vermelha gigante, com um diâmetro de cerca de 1.000 vezes maior do que nosso sol. Em seguida, ela perdeu suas prorrogadas camadas exteriores. Parte deste gás foi lançado fora do seu equador, a uma velocidade relativamente lenta, talvez tão baixo quanto 20.000 quilômetros por hora, criando o anel em forma de rosca. Outro gás foi ejetado perpendicularmente ao anel em velocidades mais altas, produzindo a forma alongada "asas" da estrutura em forma de borboleta. Mais tarde, como a estrela central aquecido, um vento estelar muito mais rápido, uma corrente de partículas carregadas que viajam a mais de 2 milhões de quilômetros por hora, voltou para o ala-estrutura existente em forma, além de modificar a sua forma.

A imagem também mostra inúmeras projeções que apontam de volta para a estrela, que pode marcar bolhas mais densas na saída que tem resistido à pressão do vento estelar.

A bordas exteriores da nebulosa são em grande medida devido à luz emitida pelo nitrogênio, que marca o mais legal de gases visíveis na imagem. WFC3 está equipado com uma grande variedade de filtros que isolam a luz emitida por vários elementos químicos, permitindo aos astrônomos inferir propriedades do gás nebular, tais como a temperatura, densidade e composição.

A cor branca das regiões são áreas onde a luz é emitida por enxofre. Essas são regiões onde o movimento rápido do gás alcança e colide com baixa movimentação de gás que deixou a estrela em uma hora mais cedo, produzindo ondas de choque no gás (as bordas brancas brilhantes nas laterais diante da estrela central). A gota branca com a borda nítida no canto superior direito é um exemplo de uma dessas ondas de choque.

NGC 6302 foi fotografada em 27 de julho de 2009, com Hubble Wide Field Camera 3 em ultravioleta e luz visível. Filtros que isolam as emissões de oxigênio, hélio, hidrogênio, nitrogênio e enxofre a partir da nebulosa planetária foram utilizadas para criar esta imagem composta.

Estas observações do Hubble da nebulosa planetária NGC 6302 são parte do Hubble Servicing Mission 4 Early Release Observations.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Devoção ou sincretismo religioso?


Este texto foi publicado 13 de agosto de 2009, mas ainda condiz com a nossa realidade, vale a pena ler e refletir.


Como católicos devemos viver com piedade e sinceridade a nossa fé , sem misturas ... Jesus disse: " EU SOU o CAMINHO a VERDADE e a VIDA ... ninguém vem ao Pai se não por MIM" (Jo. 14,6). Só Jesus é a verdade que liberta.... a vida plena e o caminho ÚNICO para o Céu ... Ele não usou um artigo indefinido: "UM" (" Eu sou um dos caminhos...") mas usou um artigo definido "O" ("Eu sou o caminho"). Portanto o sincretismo é um falso caminho , uma ação enganosa de Satanás para desencaminhar os filhos de Deus .....


Não são todos os caminhos que nos levam a Deus, precisamos aprofundar nossa fé na palavra de Deus e alimentarmo-nos espiritualmente com os sacramentos... 


Salvador - BA, é a terra do sincretismo desde a sua origem , que os negros da áfrica lá se instalaram e fizeram dele seu culto e religião ... Por lá, é explícita a simpatia e adesão às religiões de origem africana como camdomblé, umbanda e outras. Respeito as pessoas que aderiram a essas religiões, mas não concordo e fico chateado quando vejo cenas de sincretismo religioso junto à Igreja Católica local. Não obstante a isso, nas festas de congada (Festa de Nossa Senhora do Rosário), em Santo Antônio do Monte, também há forte influência da inculturação africana na paróquia Santo Antônio. O evento acontece apenas uma vez no ano, mesmo assim, sempre foi meu alvo de críticas (há outros também) e deixa eu dizer: não vejo isso como uma devoção mariana, uma vez que essa controvertida maneira de prestar culto de dulia à Virgem Maria e qualquer outro santo, não tem fundamento bíblico e está fora de contexto com a Sagrada Tradição da Igreja. 

domingo, 12 de julho de 2009

Vamos raciocinar juntos


A Organização Mundial da Saúde (OMS) já avisou que os preservativos não impedem totalmente a contaminação do vírus, uma vez que esses são muitíssimos menores que os poros do látex de que são feitas as camisinhas.

A revista Seleções (dezembro de 1991, pág. 31-33), trouxe um artigo do Dr. Robert C. Noble, condensado de Newsweek de Nova York (1/4/91), que mostra como é ilusória a crença no tal "sexo seguro" com a camisinha.

A pesquisadora Dra. Susan C. Weller, no artigo A Meta-Analysis of Condom Effectiveness in Reducing Sexually Transmitted HIV, publicado na revista Social Science and Medicine, (1993, vol.36, issue12, pág. 1635-1644) afirma: "Presta desserviço à população quem estimula a crença de que o condom (camisinha) evitará a transmissão sexual do HIV. O condom não elimina o risco de transmissão sexual; na verdade só pode diminuir um tanto o risco."

As pesquisas indicam que o condom é 87% eficiente na prevenção da gravidez. Quanto aos estudos da transmissão do HIV, indicam que o condom diminui o risco de infecção pelo HIV aproximadamente em 69%, o que é bem menos do que o que normalmente se supõe. (PR, nº 409/1996, pág. 267-2274)

Isto significa que, em média, três relações sexuais com camisinha têm o risco equivalente a uma relação sem camisinha. Convenhamos que é um alto risco, já que a AIDS não tem cura ainda. É como uma "roleta russa."

Pesquisas realizadas pelo Dr. Richard Smith, um especialista americano na transmissão da AIDS, apresenta seis grandes falhas do preservativo, entre as quais a deterioração do látex devido às condições de transporte e embalagem. Afirma o Dr. Richard que:

"O tamanho do vírus HIV da AIDS é 450 vezes menor que o espermatozóide. Estes pequenos vírus podem passar entre os póros do látex tão facilmente em um bom preservativo como em um defeituoso". , (Richard Smith, The condom: Is it really safe sex?, Public Education Commitee, Seattle, EUA, junho de 1991, pág. 1-3)

O Dr. Leopoldo Salmaso, médico epidemiologista no Hospital de Pádua, na Itália, afrma que: "O preservativo pode retardar o contágio, mas não acabar com ele."

A Rubler Chemistry Technology, Washington, D.C., junho de 1992, afirma que: "Todos os preservativos têm poros 50 a 500 vezes maiores que o vírus da AIDS"

Vemos, portanto, que é irresponsável, cientificamente, dizer que a camisinha garante o "sexo seguro". O pior , ainda, é que esta falsidade vem acompanhada de um estímulo ao "sexo livre", sem responsabilidade e sem compromisso, o que o faz promíscuo e vulgar.

Fonte: Livro "Namoro" Prof. Felipe Aquino - Editora Cléofas

SEPÚLCRO CAIADO

Já ouviu essa expressão antes? A princípio trata-se de um sepúlcro todo bonito por fora, mas por dentro é cheio de podridão. O mesmo pode se dizer daquele que finge ser quem ele não é; ser falso, mascarado.

Para não me enquadrar nesse sistema, confesso que carrego um preservativo na minha carteira sempre e embora esteja tentando viver em castidade, não sei se me garanto por muito tempo (a carne é fraca), mas isso não muda a minha opinião de que a castidade é o caminho mais seguro de se evitar AIDS.

terça-feira, 23 de junho de 2009

U2


U2 é uma banda irlandesa de rock, formada no ano de 1976 e composta por Bono (Paul David Hewson) como vocalista e guitarrista, The Edge (David Howell Evans) na guitarra, piano, voz e baixo; Adam Clayton no baixo e guitarra; Larry Mullen Jr. na bateria.

Os U2, com mais de 20 anos de estrada são uma das mais populares bandas de rock do mundo desde a década de 80. Os seus concertos são únicos e um verdadeiro festival de efeitos especiais, além de ser uma das bandas que mais arrecadam anualmente.

Além da empreitada musical, eles são também conhecidos pela sua participação ativa em causas políticas e humanitárias, em especial o líder da banda, Bono. Bono Vox tem participado ativamente em várias campanhas e apelado a líderes do mundo inteiro afim de obter apoio na sua luta contra a fome, sobretudo nos países mais pobres. Essa "obsessão" de Bono, que levou a incomodar os membros do grupo quase levou o U2 ao fim em tempos passados, porém isso foi revertido e ele conta atualmente com o apoio deles na sua causa.

FORMAÇÃO - A banda foi formada em Dublin em 21 de Setembro de 1976. Larry Mullen Jr., com apenas 14 anos, pôs um anúncio na escola, Mount Temple High School, à procura de elementos para uma nova banda. A resposta resultou num grupo de 5 elementos batizado de "Feedback ", que incluía Larry na bateria, Adam Clayton no baixo, Paul Hewson (Bono Vox) no vocal, David Evans (The Edge) na guitarra e o irmão de David, Dick, também na guitarra.

Após 18 meses de ensaios, os "Feedback" mudaram o nome para "The Hype". A banda tocou com este nome num concerto para a descoberta de novos talentos em Limerick na Irlanda em 17 de Março de 1978, tendo ganho o concurso. Jackie Haden, da "CBS Records", que fazia parte do júri, ficou impressionado com a banda, tendo-lhes dado a oportunidade de gravar a sua primeira demo.

O punk rocker de Dublin Steve Averill (mais conhecido como "Steve Rapid" dos "Radiators From Space") disse que os "The Hype" não prestavam, pelo menos no nome. Mais tarde, devido ao facto de a família de Adam ser muito ligada à aviação, Adam sugeriu um novo nome para a banda, U2 (Lockheed U-2, nome de um avião-espião utilizado pelos EUA durante a Guerra Fria que fora abatido pela URSS poucos dias antes do nascimento de Paul Hewson - Bono) que foi aceito e se tornou o nome oficial da banda até os dias de hoje.

Há quem sugira que o nome "U2" é baseado na filosofia do grupo, que acredita que a audiência faz parte da música e dos espetáculos e, como tal, "you too" ("você também") participa do espetáculo.

Dick saiu em Março de 1978, e a banda fez-lhe um concerto de despedida. Reduzidos a quatro elementos, lançaram o seu primeiro single em Setembro de 1979, "U2-3" de seu nome, que chegou ao topo das tabelas na Irlânda. Em Dezembro desse ano rumaram a Londres para realizar os seus primeiros concertos fora da Irlânda, não tendo conseguido grande atenção do público ou da crítica.

Fonte: Wikipédia

O novo sucesso do U2 é Magnificent (Magnífico), atualmente é a música que eu mais gosto. Gosto da banda U2 atual, não gosto da época dos anos 1980 e 90.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

PALESTRAS - PE. ROBERTO LETTIERI - TOCA DE ASSIS


O Pe. Roberto José Lettieri, natural de São Paulo-SP, converteu-se em 1983 em um encontro de jovens. Respondendo a um forte chamado de Jesus Sacramentado, doou-se inteiramente à Igreja, ingressando no seminário.
Em maio de 1994, o Pe. Roberto, ainda seminarista, com mais três jovens que desejavam viver o carisma franciscano, fundou a Fraternidade de Aliança Toca de Assis.
Quando ordenado Sacerdote, em 08 de Dezembro de 1996, esta obra, espelhada nos exemplos de pobreza, obediência, castidade e gratuidade do “Poverello de Assis” já contava com a ajuda de 80 jovens, que entre a pastoral de rua e a primeira casa de acolhimento, prestavam atendimento aos sofredores abandonados de rua.
Por ser polêmico em algumas declarações, Pe. Roberto foi afastado por uma ano, por seu bispo. Sabemos que está em Jeruzalém. Ele é possuidor de um grande ardor missionário, capaz de fazer aquele que vive mal a sua fé a retornar para Igreja e também de converter quem ainda não conhece Deus.